12 de janeiro de 2009

aprendendo com corbusa


hoje, um pouco antes do almoço, naquela hora em que se espera porque não há nada melhor para fazer, e esperando se decide desenhar como quem não quer nada além de esperar, peguei o que estava na minha frente, esta cadeira, e comecei a desenhá-la. nisso me vieram várias lembranças, como as maracutaias que fazíamos com seu espaldar 'rodante', verdadeiras acrobacias que provam a real qualidade de um objeto como este. a manobra 'minhocante', que consistia na façanha da flexibilidade de uma criança, a se contorcer em posições inacreditáveis e anti-ergonômicas que arrepiariam qualquer mãe. quando eu mostrei para o chico o que conseguia fazer, ele me contou uma história de quando enfiou a cabeça por entre uns montantes de uma cadeira da casa dele e depois não conseguia retirá-la, de jeito nenhum, e que terminaram com seu avô puto da vida serrando a porra da cadeira enquanto ele chorava de medo do serrote e da promessa de passar o resto da vida preso na cadeira, dizendo que qualquer dia seria eu quem ficaria preso na cadeiram, e que ele só viria em casa para chutar a minha bunda. mais engraçado ainda é lembrar que 'essa cadeira esquisita, desconfortável e cafona, lógico, com este tecido de vaquinhas que não podia ser coisa de homem' era na verdade uma puta cadeira foda, de design refinadíssimo do le corbusier. só que isso, é claro, eu só vim a saber uns 15 anos depois, depois de entrar na fau. e soube também que o corbusa levou em conta no desenho desta cadeira seu nível de diversão e tantas posições inacreditáveis para crianças levadas da breca. ai embaixo tem uma breve descrição das estripulias. ah, claro que passar e rodopiar o encosto com toda força era o pedágio para se passar pela sala e subir as escadas... e logicamente meu pai nos arrancava os cabelinhos... hehehe

5 comentários:

maíra disse...

corbusa sabia o que fazer e como fazer, principalmente...hehehehe
demais dan!

maíra disse...

ps> gostei de como você diagramou o post.

disse...

deixa a cadeira quieta, ô menino!!!

franka disse...

hahaha, o chico, a nana e o joão já entalaram nas nossas vassilis também.

Tito Peçanha Leitão disse...

ge-ni-a-u