17 de janeiro de 2010

os ratos de nossa terra






você gosta de bichos? eu gosto. é, eu diria que sou um cara que gosta de animais, que vibra e tem pena deles, bastante suscetível a apelos ecológicos e etc, tenho inclusive um gato em casa e paro na rua para fazer carinho em cachorros aleatórios, chego a chamar um passarinho que vejo sempre em paúba de 'meu'. bem, eu gostaria de saber então por que esta mesma pessoa consegue sair de casa às 13h21 num pleno domingo, com a máquina fotográfica em mãos, chamar o irmão que acabara de acordar com o convite: 'ei, eu vi um rato morto lá embaixo, quer descer comigo para fotografá-lo?'. meu requinte de sadismo às vezes me incomoda. sabe, uma pessoa pode ser rechaçada ou estigmatizada por dizer que não gosta de animais, por maltratá-los, explorá-los, etc, mas em alguns casos esta atitude se permite deixar de lado e o infeliz sai de casa cinicamente para fotografar a maldita desgraça do bicho. e ninguém lhe diz nada; seu irmão, ao invés disso, o acompanha. o que eu senti não foi exatamente pena, ou foi? hoje em dia eu não sei pensar se bonzinhos são só os animais em extinção, se este desgraçado deste rato, só por existir em abundância, viver do que jogamos fora em lugares que preferimos não imaginar, e que só aparece quando justamente estes lugares transbordam da água que não conseguimos controlar, e pelo ritmo que as coisas andam, nunca conseguiremos. hoje eu vi de relance no jornal aquele inglês falando uma das coisas mais sensatas que tenho ouvido nos últimos tempos, embora não seja nenhuma novidade (de novo): que a terra que vai acabar é a nossa, não ela mesma. para a terra nossa existência vai passar batida tal qual outras tantas que já passaram por ai, a humanidade vai matar a si mesma e só, acabar com a SUA Terra, a das baratas e ratos continuará por ai depois. talvez seja por isso que consigamos olhar com certa distância um animal com a alma de deus como o rato, morto, sem que nos toque tanto; eles estarão aqui quando nós acabarmos com nós mesmos, e, no fundo, sabem que são superiores, repare no olho sorridente de sabedoria deste ai que fotografei.

2 comentários:

Isadora disse...

Hoje eu acordei assustada, porque eu mesma tinha matado um rato no meu sonho. Asfixiado (!!). Que medo! A primeira foto é daquelas que parecem querer falar...

daniloz disse...

pois é, eu já matei um rato, fiquei mal um tempão.