3 de setembro de 2010

começo do começo do fim - tfg2


este esbocinho sem-vergonha é uma idéia que tive hoje e que deu um certo fôlego ao meu tfg, com o qual eu andava meio em crise. porra, o parque dom pedro, o pátio do pari e toda esta região complexíssima que os envolve estava começando a me deixar meio preocupado. por mais que minha proposta não seja resolver os problemas da região através do estudo mais rigoroso e detalhado que um projeto no sentido arquitetônico da palavra exigiria (como se algum conseguisse, mas enfim), também não quero fazer algo aleatório ou simplesmente retórico, tem que ter algum pé na realidade, algum nexo que conecte a realidade ao sonho, senão não há por que desenvolver tal idéia, vira um simples devaneio, que não é a idéia. e isso estava me deixando agoniado porque percebi que não via (no sentido literal da palavra) a forma dos edifícios ou mesmo do espaço que pretendia aparecendo porque não havia exatamente um rigor por trás de qualquer proposta. o atendimento desta segunda-feira com o delija me abriu um pouco os olhos. então me acalmei um pouco e fui ontem à tarde ao pari, brás e parque d. pedro passear um pouco, dar uma olhada nova por trás daquilo que os muros para o rio obviamente escondem. nova vida. caramba, a feira do pari é incrível, os varejos, atacados, mesmo aquele estacionamento de ônibus horripilante têm uma coisa interessante. e mais, indo até o largo da concórdia, encontrei o viaduto que alguns anos atrás fiz a proeza de pegar na contra-mão. enfim, voltando pela rua do gasômetro ao parque, fiquei pensando mais um pouco e as passagens pedem alguma vida, de fato. seria bacana, já que pretendo transformar parte do parque num balneário, organizá-lo através de um edifício-marquise-minhoca que reunisse os vestiários, banheiros, guarda-volumes, e demais coisas relacionadas à praia em si, bem como albergues, assistência social, refeitórios, etc, numa linha tal qual um calçadão na orla da praia. e de fato o seria. com isso imagino levar uma faixa de vida ao centro do parque, na transversal. esta linha poderia se estender retomando o conceito da galeria prestes maia, conectando a pracinha abaixo do parque do colégio à avenida são joão, ali em frente ao martinelli. depois coloco aqui também os mapas que estou desenhando, fundamentais, na verdade, mas é que achei a idéia da minhoca boa, então me animei de colocar aqui, mesmo que brevemente.

Nenhum comentário: