16 de outubro de 2010

tfg - 14/xx


mmmm este não é dos meus preferidos. acho que estou na mesma 'crise' de quando comecei a desenhar o tamanduateí, está tudo limpinho demais, muito estéril, insosso. a estrutura está ai, o esqueletão, mas preciso sujar um pouco mais as coisas, dar marcas de vida, aquela prova de que existe e não é uma casa de revista, sabe. é fogo quando percebemos que tem umas coisas que achamos simples de escolher, dizer quais são as nossas preferidas, que nem pisos (em alguns casos), móveis, estão muito associados à nossa criação, são sensoriais, emocionais. mas pia de cozinha, caramba, nunca tinha pensado como seria uma pia de cozinha bacana para mim, apesar de ter algumas que prefira, nenhuma nunca me seduziu! sei lá, num devaneio um pouco exagerado eu talvez a fizesse de madeira, aliás, se pudesse, eu faria TUDO de madeira, porque é o material que eu mais gosto no mundo, madeira e piso cerâmico, aquelas lajotinhas rosadas, resolvem tudo. mas não dá. uma cozinha cuja pia não tem um musguinho nas juntas não é uma cozinha que se preze, não convence, aqueles saleiros meio engordurados e tal. pensando agora, talvez tenhamos alguma dificuldade (eu, né) em desenhar a cozinha porque não é o que damos mais atenção normalmente. eu, quando em posição de projetista, sempre tento dar à cozinha uma cara especial, pois é um dos lugares onde se passa mais tempo, e tem que funcionar muito bem. mas tudo tem brilho, superfícies polidas, isso é um inferno de desenhar, reflexos, limpeza! agora, por outro lado, acho que até que acertei razoavelmente na mulher do último quadro, quer dizer, parece bem uma mulher, podia ter dado MUITO errado, até por isso quis fazê-la. apesar de que, como diz a ângela rocha; 'parecendo gente, tá bom'.

Nenhum comentário: