2 de dezembro de 2010

na performance

2 comentários:

Paulo von Poser disse...

lá em cima estava colado na parede , sentindo o cheiro da doce acrílica que escorria como uma lava azul cobalto. Trabalhar na escada longe alto é demais , te coloca em um certo tipo de suspensão , um equilíbrio extra algo contra a gravidade da tinta ... então corri com ela , baixei até esperar o escorrido chegar olhando bem pertinho e lá um pouco antes, agachado encolhido percebi que faltaria uma gota para tocar o chão , ela parou seca e imediatamente me enrolei e fiquei encolhido e coberto neste espaço entre a tinta e o piso (uns 6cm e só), esperando acabar assim sem conflito ,quieto sem fim .
mas não deu , o Danilo recomeçou com o sino tibetano que me voltou na ação...

Tito Peçanha Leitão disse...

espetacular a foto.

vai ficar para o próximo livro!
hehe