27 de fevereiro de 2011

tapete de nuvens

Estas duas fotos foram as duas primeiras tiradas com o filme infravermelho da Rollei que estava estreando na viagem. Como ele é um filme 400, tirei algumas fotos fotometrando ele como tal, o que resultava em uma exposição muito menor já que o filtro que temos que usar com estes filmes tira de 18 a 20 pontos de luminosidade da foto. Fiquei muito na dúvida do que fazer, confesso, lá não tinha internet para checar, então arrisquei baixar o iso para 6, o mínimo que meu fotômetro comporta. As fotos de praia até ficaram boas, mas no geral isso levou a superexposição da maioria dos negativos. Depois vim a saber que o recomendado para um outro filme, que estou terminando agora, o da Efke, é 25, então talvez seja num meio termo que encontre a melhor referência, vamos ver, tenho que pesquisar mais um pouco também. Outra coisa curiosa é que o infinito tem foco diferente no 'mundo' infravermelho. Uma das minhas lentes até tem uma indicação de infravermelho mas não entendi exatamente o que deveria mexer para certar o foco, interpretei como 'focar no infinito e voltar um pouquinho'.

Nenhum comentário: